quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Exército ativa Núcleo do Centro de Defesa Cibernético


Conforme citado pelo Cel. Rufino durante o evento da Fecomércio:

Em cerimônia presidida pelo Comandante do Exército, General-de-Exército Enzo Martins Peri, no Departamento de Ciência e Tecnologia, foi ativado o Núcleo do Centro de Defesa Cibernética do Exército. Em suas palavras, o Chefe do DCT, General de Exército Augusto Heleno Ribeiro Pereira, destacou a importância do Setor Cibernético, de responsabilidade do Exército no âmbito do Ministério da Defesa.

Em agosto de 2010, foram aprovadas as portarias 666 e 667, do Comandante do Exército, criando o Centro de Defesa Cibernética do Exército e ativando o Núcleo do Centro de Defesa Cibernética do Exército, respectivamente, tornando realidade o Setor Cibernético do Exército Brasileiro.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Polícia britânica prende 19 envolvidos em fraude bancária online

Do Yahoo! Notícias

LONDRES, 29 de setembro (Reuters) - A polícia britânica prendeu 19 pessoas suspeitas de participarem de uma fraude online que afetou milhares de clientes de alguns dos maiores bancos do mundo, afirmou um porta-voz das autoridades nesta quarta-feira.

A Polícia Metropolitana de Londres disse que 6 milhões de libras foram roubadas de diversos grandes bancos não identificados em um período de três meses. O número final deve aumentar conforme avança a investigação.

Detetives disseram que a quadrilha é suspeita de infectar milhares de computadores na Grã-Bretanha com programas invasivos que lhe deram acesso a detalhes bancários de internautas.

"Acreditamos ter desmantelado uma rede criminosa altamente organizada que usou métodos sofisticados para desviar uma grande quantidade de dinheiro de muitas pessoas inocentes", disse o inspetor-chefe Terry Wilson, da unidade de crimes de Internet da polícia, sediada na Scotland Yard.

Acredita-se que a quadrilha usava programas tipo cavalo de Tróia, um tipo de vírus de computador, para obter os dados pessoais que os correntistas usam para transferir dinheiro, acrescentou. A polícia prendeu 15 homens e quatro mulheres em operações por Londres na terça-feira.

Hackers que atacaram Comcast são condenados à prisão

Além da privação da liberdade, os réus deverão restituir os mais de US$ 89 mil de prejuízo causados à empresa

PHILADELPHIA - Christopher Allen Lewis, ou “EBK”, 20, de Newark, Delaware, eMichael Paul Nebel, o “Slacker”, 28, de Kalamazoo, Michigan, foram condenados no ultimo dia 24 de setembro a 18 meses de prisão por conspirarem pela interrupção dos serviços do website da corporação Comcast ( www.comcast.net), nos dias 28 e 29 de maio de 2008. O anúncio foi feito pelo advogado da União (EUA) Zane David Memeger.

Lewis, Nebel e o réu James Robert Black Jr., conhecido por “Defiant”, eram associados ao grupo de hackers Kryogeniks. No dia 28 de Maio de 2008, eles usaram suas habilidades de hacking para redirecionar todo o tráfego destinado ao www.comcast.net para outros websites definidos por eles. Como resultado, os clientes da Comcast que tentavam ler seus emails ou escutar suas mensagens de voz eram encaminhados para um site onde encontravam a mensagem: “KRYOGENIKS Defiant and EBB RoXed COMCAST sHouTz to VIRUS Warlock elul21 coll1er seven.”

Aproximadamente 5 milhões de pessoas por dia se conectaram ao website da Comcast em Maio de 2008. Esses atos resultaram em perdas de aproximadamente US$ 89.578,13. A brincadeira desencadeou uma intensa investigação do FBI com a colaboração da Comcast. Além do tempo de prisão, o juiz Robert F. Kelly ordenou que cada réu restitua a empresa os US$ 89.578,13. O caso do réu James Robert Black Jr. foi encaminhado a outro distrito, em Washington, onde ele recebeu a sentença de quatro meses de prisão e pagamento da restituição.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Vaga para estagiário - BH

A TechBiz Forense Digital está com oportunidade em aberto para Estágio em Licitações e Contratos, para atuar em Belo Horizonte.


Necessário: Experiência em rotinas administrativas.
Documentação de uma empresa (INSS, FGT, CND, CNPJ, etc...) – Intermediário
Cadastro em sites de compra - Intermediário
Participação em processos de licitação (pregão eletrônico, convite, tomada de preço, etc...)

Descrição das atividades principais:

Auxiliar no cadastro da empresa em sites de licitação;
Acompanhar o vencimento da documentação da empresa;
Providenciar atualização desta documentação;
Controle dos contratos existentes;
Rotinas administrativas.


Número de vagas: 1

Local de Trabalho: Belo Horizonte.

Contamos com a contribuição de todos os colaboradores do grupo TechBiz para a indicação de candidatos para as vagas em questão.

Para fazer a indicação é necessário enviar o currículo para o e-mail: rh@techbiz.com.br; colocando no assunto: envio de currículo para a vaga de Estágio.

Qualquer dúvida, gentileza procurar o setor de Recursos Humanos.

Cibercrime no Norte da África "Uma nova e Recente Tendência"

Artigo The New New InternetBy: John Adams

Os especialistas em cibercrimes das Nações Unidas alertaram sobre a recente tendência dos ataques on-line que se originam dos países da África. "É importante notar que as mentes por trás das organizações criminosas mudaram-se recentemente para o Norte da África, o que é totalmente novo”, diz Francesca Bosco, do Instituto de Pesquisa do Crime Interregional e da Justiça das Nações Unidas.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Marco Civil da Internet

Da Coluna de Ancelmo Góis, O Globo

Trocando figuras

Representantes do governo brasileiro e da União Europeia estão reunidos em Bruxelas sobre a regulação de temas da sociedade com no mundo virtual. É que lá fora faz sucesso o debate promovido pelo Ministério da Justiça do projeto de lei do marco civil da internet pela própria rede. Os brasileiros pretendem também apresentar no encontro o plano nacional de banda larga.

Saiba mais sobre o Marco Civil da Internet.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Projeto de lei dos EUA contra ciberataques regula empresas-chave

Por Diane Bartz
No Yahoo Notícias

Reuters - Uma proposta de lei sobre segurança na Internet que está circulando no Congresso norte-americano daria ao presidente dos Estados Unidos o poder de declarar Estado de Emergência em caso de grandes ataques de hackers, além de forçar algumas companhias a melhorar suas defesas e se submeter a fiscalização.

A Reuters obteve uma cópia do projeto, que permite que o presidente declare uma emergência caso exista uma ameaça iminente à rede de eletricidade dos EUA ou a outro tipo de infraestrutura crítica, como o fornecimento de água ou o sistema financeiro, devido a um ataque hacker.

Indústrias, empresas ou parte de empresas poderão ser fechadas temporariamente, ou teriam que tomar outras medidas para lidar com as ameaças.

A declaração de Estado de Emergência duraria 30 dias, a não ser que o presidente a renove, mas não poderia durar mais que 90 dias sem a aprovação do Congresso.
A proposta une dois projetos de lei anteriores, a pedido do líder da maioria no Senado, Harry Reid. "(O projeto) é algo que esperamos poder aprovar até o final do ano, se possível", disse a porta-voz do senador, Regan Lachapelle, à Reuters.

A oposição no setor, no entanto, pode atrapalhar esse plano. Steve DelBianco, diretor do grupo de mercado NetChoice, que inclui membros como Yahoo, eBay e News Corp, se opôs à parte do projeto que impede empresas consideradas "críticas" de contestar esse rótulo na Justiça. "Isso terá que ser corrigido para tornar essa proposta justa para as empresas que pagarão por ela", afirmou.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Google: Brasil no topo dos vetos

País é o que mais pede retirada de conteúdo, diz empresa

Do Jornal O Globo (Caderno de Economia, pg. 29 - 22/09)

O Brasil lidera o ranking de países que mais tiveram conteúdo retirado da internet pelo Google. Apenas no primeiro semestre, 398 solicitações brasileiras desse tipo foram cumpridas. Segundo relatório sobre transparência governamental da gigante de buscas envolvendo 35 países, a maior parte das retiradas no Brasil foi solicitada pela Justiça. E o Orkut foi o principal alvo, com 319 pedidos, 99 judiciais e 220 extrajudiciais. Por diversas vezes o site teve que retirar conteúdo pedófilo da rede.

As retiradas a pedido brasileiro são quase o dobro das feitas por solicitação da Líbia, que aparece em segundo lugar, com 149 pedidos. Estados Unidos e Alemanha aparecem com 128 e 124, respectivamente.

A informação está disponível em uma nova ferramenta do Google, que mostra onde os seus produtos e serviços, como o YouTube, são bloqueados. Segundo a empresa, o objetivo é compartilhar informação sobre seus negócios com governos estrangeiros para promover a liberdade de expressão e de competição na internet em mercados emergentes.

"Acreditamos que esse tipo de transparência pode inibir a censura", disse David Drummond, diretor legal da empresa.

Batizada de "Relatório da Transparência", a ferramenta está disponível em google.com/transparencyreport. E mostra, por exemplo, que o YouTube está bloqueado no Irã desde 12 de junho de 2009, após as eleições presidenciais. Também mostra que, no primeiro semestre, o governo dos EUA pediu informações sobre usuários 4.287 vezes. O do Brasil, 2.435.

"Nós nos preocupamos com isso porque nos importamos com a liberdade de expressão como um valor", disse o porta-voz Niki Fenwick. "Também nos importamos porque é o nosso negócio. Quando nossos serviços são bloqueados ou filtardos, não podemos servir a nossos usuários".

A ferramenta indica ainda o tráfego de usuários na web e explica se a queda se deve a um bloqueio governamental (Com Bloomberg News e agências internacionais).

Twitter é vítima dos hackers

No começo do dia de ontem, 21 de setembro, o Twitter sofreu ataque de hackers que redirecionava usuários para sites de pornografia japoneses. A rede social de microblogs recebeu diversas reclamações de usuários que postavam no site sob tópicos como "Twitter foi hackeado".

Segundo ao companhia, nenhuma informação pessoal de usuários ficou exposta.
Um "tweet" do chefe de segurança do Twitter postado por volta das 14:30 GMT informava que o problema foi "completamente resolvido" e que hackers não conseguirão mais tirar proveito da falha. "Acreditamos que nenhuma informação pessoal de usuários foi acessada."

O site do Twitter sofreu um ataque nesta terça-feira de usuários que aproveitaram uma falha de segurança que permitia o surgimento de pop-ups e a abertura de sites de terceiros quando um usuário passasse seu mouse por cima de um link, segundo a companhia de segurança em tecnologia Sophos.

A empresa, contratada pelo Twitter, afirmou que as mensagens eram repassadas para outros usuários sem permissão.

"Não foi nada bom -vimos milhares de pessoas serem atingidas por minuto", disse o consultor de tecnologia da Sophos, Graham Cluley, que esteve envolvido no reparo do erro. "O pior que vimos foi que as pessoas estavam sendo redirecionadas para um site japonês de pornografia."

Problemas de segurança como estes preocupam usuários de redes sociais populares como Twitter e Facebook. Ambos os sites já foram atacados por hackers no passado. A facilidade de compartilhamento de vídeos, fotos e outros tipos de conteúdo dos sites também permite a rápida disseminação de vírus.

O Twitter já havia detectado uma falha de segurança de abril de 2009, que consertou após diversos ataques.

(Reportagem do Yahoo, por Yinka Adegoke)

FBI diz que Brasil pode ser alvo de hackers

da IT Web

Chefe da polícia dos EUA diz que delatores do Leste Europeu devem se aproveitar do momento econômico do País

O crescimento da economia brasileira pode resultar em uma mudança no perfil dos crimes cometidos pela internet contra as instituições financeiras do País. Assim como ocorre com bancos norte-americanos, o Brasil poderá passar a ser alvo de cibercriminosos do Leste Europeu. O alerta foi dado pelo chefe interino da Unidade de Crimes Cibernéticos do FBI, a polícia federal dos Estados Unidos, James Harris.

"Como a economia brasileira está crescendo mais do que a do resto do mundo, certamente atrairá os mesmos tipos de criminosos que atuam contra as instituições financeiras dos Estados Unidos. A maioria desses criminosos vive no Leste Europeu, para onde o dinheiro roubado, pela internet, dos bancos norte-americanos é levado", disse em entrevista exclusiva à Agência Brasil o agente do FBI.

Ele explica que a maioria dos crimes investigados pela polícia brasileira envolve práticas cometidas no País. "Esta é uma das diferenças entre as investigações do FBI e da Polícia Federal [PF] brasileira. Enquanto aqui no Brasil os criminosos investigados se encontram em território nacional, os criminosos que são investigados pelo FBI costumam cometer os crimes a partir de outros países."

Para Harris, a PF tem todas as condições de combater esses criminosos. "A capacitação dos policiais federais brasileiros é muito similar à que é dada aos agentes do FBI. Venho ao Brasil há mais de 15 anos e posso afirmar: o treinamento, os cursos, as técnicas e as tecnologias são muito parecidas com as que utilizamos nos EUA", afirmou.

O fato de haver hackers brasileiros entre os melhores do mundo também acaba tornando a PF mais preparada para lidar com os criminosos do Leste Europeu. "Fiquei muito impressionado com o que vi sendo feito por hackers brasileiros", acrescentou.

O chefe do FBI elogiou o compartilhamento de informações da PF entre as diferentes áreas. "A interação das áreas investigativas no Brasil parece ser bastante eficiente, com policiais focando a investigação como um todo, desde a parte tecnológica, relativa à invasão de um sistema, até o caminho que o dinheiro segue para chegar às mãos dos criminosos. Isso requer uma grande sintonia entre especialistas das áreas tecnológicas e da área financeira."

Para as investigações de caráter internacional, o FBI e a PF têm tido boa articulação. "Atualmente é possível desburocratizar a comunicação entre os dois órgãos. Principalmente a partir de encontros como o ICCyber [conferência sobre crimes cibernéticos que ocorreu na semana passada em Brasília]."


*Com informações da Agência Brasil

domingo, 19 de setembro de 2010

Não existe computador seguro

Pesquisa da Symantec revela que quase dois terços dos adultos, em todo o mundo, já foram vítimas de algum tipo de crime cibernético (65%).

Participaram da pesquisa para o "Relatório de Crimes Cibernéticos Norton: O Impacto Humano" mais de 7.000 adultos de 14 países. Confira alguns dados:



  • 65% das pessoas em todo o mundo já foram vítimas de um crime cibernético.
  • Apenas 9% das pessoas se sentem seguras online.
  • Apenas3% dos usuários de Internet achem que o crime cibernético não acontecerá
    com eles.
  • 79% dos entrevistados não esperam que os criminosos cibernéticos sejam levados à justiça.
  • Quando os crimes cibernéticos ocorrem menos da metade de todas as vítimas entra emcontato com a sua instituição financeira ou liga para a polícia e somente mais de um terço entram em contato como proprietário do website ou provedor de e-mail.
  • Segundo o relatório, solucionar o crime cibernético leva em média 28 dias e custa em média US$ 334.
  • Atualmente, quase um terço das vítimas mundialmente (31%) afirma que nunca
    solucionou um crime cibernético.

Leia a pesquisa completa.